Falamos com os responsáveis por Feedly, o novo “Google Reader”

feedlyFeedly continua sendo o líder na lista de alternativas à Google Reader. Um leitor de feeds extremamente flexível, com versões para web e plataforma móvel, que promete total independência do leitor de Google, garantindo assim a sobrevivência do mundo rss.

Entramos em contato com Cyril Moutran, um dos responsáveis pelo projeto, para falar sobre esse novo protagonista da web moderna:

Como começou o projeto e como tem crescido desde então?

Feedly nasceu em 2008. Somos um grupo pequeno de 10 empreendedores apaixonados por desenho e criação de produtos inovadores.

A medida que mais dispositivos nos rodeiam no dia a dia, nos preocupamos em identificar oportunidades e pensar como acessar melhor ao conteúdo que nos interessa, tanto desde a web como desde qualquer plataforma que usarmos para ler a informação.

Essa é a ideia, sempre foi, melhorar o acesso às fontes que nos interessam.

500.000 novos usuários nos primeiros dias depois do anúncio do fim de Google Reader… Como foi a experiência?

Nas primeiras 48 horas depois do anúncio do Google vimos como, efetivamente, 500.000 novos usuários começaram a migrar suas fontes a Feedly. Rapidamente vimos como chegaram à lista de mais populares os aplicativos para iPad, iPhone e Android, assim como verificamos um crescimento exponencial em nossa versão web.

Nosso objetivo principal tem sido escalar e manter nossos usuários com sucesso. Feedly.com, à princípio, esteve instável durante algumas horas, porém, conseguimos gerenciar muito bem seu carregamento. Vimos um pico ainda maior na manhã de segunda-feira e dedicamos algumas horas em poder estabilizar o serviço de novo.

Foram criados novos fluxos de informação com os novos usuários?

Temos estabelecido um canal de suporte específico para os usuários do Google Reader (feedly.uservoice.com/forums/192636-suggestions) e estamos obtendo um feedback excelente de nossos novos usuários, comentários que levamos em conta para poder seguir trabalhando em novas funcionalidades.

Sobre a nova API, usuários de outros leitores poderão usar feedly da mesma forma que usam hoje Google Reader?

Sim, esse é o objetivo. Desde que anunciamos a API, mais de 100 desenvolvedores entraram em contato conosco. Durante as próximas semanas anunciaremos mais detalhes sobre o projeto Normandy, haverá um formulario para registro dos programadores e formas de estar constantemente atualizados.

Feedly é gratuito, assim como seus aplicativos móveis. Qual é seu modelo de negócio?

Pretendemos lançar uma versão Premium, porém, ainda não podemos anunciar os detalhes de feedly pro. Os usuários têm nos pedido muitas coisas e estamos analisando toda a informação recebida.

Não é exatamente uma versão com alguma funcionalidade extra, é mais sobre o fato de que muitos usam feedly como parte de sua rotina diária, e estão dispostos a pagar da mesma forma que fazem com suas contas de Dropbox ou Evernote.

O modelo de negócio vai mais além da versão Pro. Acreditamos no futuro dos feeds abertos, como RSS e Atom. Com o mundo dos Open Feeds, ao contrário do Twitter, Facebook ou Pinterest, o conteúdo vive distribuído na web, pode ser muito mais personalizado e qualquer um pode participar, porém, um dos principais problemas de rss e atom é que não tem se preocupado em monetizar sua filosofia. Feedly pretende ocupar esse espaço com Normandy, oferecendo opções para Conteúdo Feed Premium.

Que países são mais ativos em Feedly?

Feedly está crescendo muito no mundo hispânico. Atualmente oferecemos a versão em espanhol na web, e estamos trabalhando para oferecer versões completas em cada país tanto na web como em dispositivos móveis.

Agradecemos a Cyril e a sua equipe pelas respostas. Se quiser, pode deixar perguntas nos comentários para poder conhecer melhor este projeto que seguiremos de perto constantemente.