Spotify chegou ao Brasil, serviço de música on-line

spotify

Agora é pra valer, depois de muitos rumores, o serviço de músicas por streaming, Spotify (spotify.com), parece que, finalmente, chegou por aqui, ou, pelo menos, está chegando. Na terça-feira a empresa começou a enviar e-mails para os usuários que haviam solicitado acesso à plataforma que, por enquanto, só é possível por convite. Segundo o e-mail:

“O Spotify está chegando ao Brasil. Nesse primeiro momento, apenas algumas pessoas irão receber acesso antecipado para curtir milhões de músicas através do computador ou smartphone”.

Vale ressaltar, no entanto que, segundo alguns usuários que receberam convite do serviço, não estão conseguindo se cadastrar, aparecendo a mensagem:

“Spotify is not available in your country”.

Outros já receberam o email:

Lembra que um dia você se inscreveu para saber mais informações sobre a gente? Bem, chegou a hora.O Spotify está chegando ao Brasil. Nesse primeiro momento, apenas algumas pessoas irão receber acesso antecipado para curtir milhões de músicas através do computador ou smartphone.

E você é uma delas.

Se inscreva clicando no botão abaixo e tenha acesso grátis para escutar mais de 20 milhões de músicas.Lembre que este acesso é exclusivo e válido para a criação de apenas uma conta.Para receber notícias sobre lançamentos e participar da comunidade do Spotify no Brasil, siga o @SpotifyBR no Twitter!

sshot-210

Spotify disponibiliza mais de 20 milhões de músicas, o que aumenta a concorrência entre os serviços que fornecem música digital, entre elas Rdio e Deezer, que dividem o mercado de streaming com as nacionais Vivo Música By Napster.

Para quem não sabe, outra forte concorrente no mercado, o iTunes, da Apple, foi quem inventou o mercado de música digital depois de o Napster revolucionar a maneira de se consumir música, implodindo a indústria fonográfica em 1999, já que permitia que os usuários fizessem o download de um determinado arquivo diretamente do computador de um ou mais usuários de maneira descentralizada, protagonizando, dessa forma, o primeiro grande episódio na luta jurídica entre a indústria fonográfica e as redes de compartilhamento de música na Internet.