Estudo no Facebook confirma o que já sabíamos: É melhor ter poucos fãs, e fiéis, que milhares de seguidores desconhecidos

sshot-841-350x350Quem trabalha com várias páginas no Facebook há mais tempo já sabe que ter milhares de seguidores não significa ter milhares de visitas diárias ou milhares de “curtir” nos conteúdos ali publicados.

Em muitas ocasiões é muito melhor ter bem poucos seguidores, mas esses extremamente fiéis à marca, que milhares deles que não interagem com o conteúdo, e isso é algo que um estudo publicado acaba de mostrar komfo.com.

A ideia é simples, e e darei um exemplo para explicar:

Imagine que temos uma página do Facebook de uma escola infantil, onde os seguidores são os pais das crianças (100 seguidores, por exemplo). Cada vez que publicamos algo relacionado com as atividades da escola, o Facebook envia o conteúdo a 3-5% dos seguidores, quer dizer, a umas 4 pessoas. Essas 4 pessoas, pais dos alunos, clicam em “curtir” porque é algo que os afeta diretamente, porque são seus filhos, sua escola, uma marca a qual têm carinho. Ao detectar tanto sucesso na publicação, o Facebook aumenta sua visibilidade e continua a mostrando aos seguidores, aumentando essa porcentagem original e chegando, possivelmente, a uns 90-100% da comunidade de seguidores da página (umas 95 pessoas).

Agora imagine que alguém tenha a brilhante ideia de pagar para aumentar o número de seguidores da página da escola. Milhares de desconhecidos clicam em “curtir” porque vêm o anúncio, porém, não têm nenhuma relação com a marca, nem com os alunos, nem com as atividades da escola.

Quando publicamos um texto chegará a uns 3-5% dos seguidores, igual antes, porém, nesses 3-5% já não há tantos pais como antes (pode ser até que não tenha nenhum), por isso que o post não receberá “curtir” e sua visibilidade ficará estagnada.

Quer dizer, quando temos só 100 seguidores, a visibilidade do post chegou a 90-100 pessoas, agora que temos 1.000 seguidores a visibilidade chega a 30 pessoas, nenhuma delas “fan” da marca.

Em insidefacebook chegam a mesma conclusão: é muito melhor ter comunidades pequenas que interajam do que milhares de seguidores que nunca verão o que será publicado.