YouTube retira conteúdos polêmicos para ajudar a combater a pedofilia

YouTube
YouTube levantou muita polêmica nos últimos dias, e isso por descobrirem que uma rede de pedófilos estava usando a plataforma para compartilhar links com conteúdos de pedofilia dentro dos comentários de alguns vídeos.

Esta situação não passou despercebida por alguns YouTubers, criticando em seus respectivos canais, culpando a plataforma, em alguns casos, enquanto outros saíram em defesa da mesma, preferindo agir mediante denúncias de conteúdo, encarregando a equipe do YouTube de lidar com a situação, em vez de apenas criticar.

Leia também: UMA EXTENSÃO PARA CONTROLAR O TEMPO QUE PASSAMOS NO YOUTUBE

Por conta disso, o YouTuber Matt Watson postou um vídeo com duração de 20 minutos, explicando como comentários da plataforma foram usados para direcionar vídeos com imagens, sexualmente sugestivas, de menores, como foi explicado também em Bloomerg, resultando na saída de algumas grandes marcas comerciais ou na pausa de suas campanhas, para que seus anúncios não fossem exibidos nesses vídeos, já que eles também estavam sendo monetizados.

O pior é que, segundo o vídeo de Matt Watson, além do algoritmo do YouTube recomendar conteúdos similares aos pedófilos compartilhados, o que provocou mais indignação, foi um vídeo alcançar 1,7 milhões de visualizações em um só dia.

Entre as marcas importantes que retiraram seus anúncios estão a Disney, Nestlé e Epic Games, entre outras, embora marcas como a Grammarly e a Peloton, tenham preferido solicitar ao YouTube uma investigação completa.

Como resultado de toda esta polêmica, YouTube eliminou mais de 400 canais e milhões de comentários, segundo respondeu a equipe do YouTube a YouTuber Philip DeFranco, que também comentou a situação em um vídeo, porém, nesse caso, focando na defesa da plataforma, segundo o The Verge.

Leia também: YOUTUBE ELIMINARÁ A POSTAGEM AUTOMÁTICA NO TWITTER E GOOGLE+

Além realizar essas ações, o YouTube, em cumprimento da lei, também relatou contas ofensivas e comentários para as autoridades.