Twitter compra empresa de Inteligência Artificial para lutar contra Fake News

Pode até parecer impossível, mas o poder das fake news que circulam nas redes sociais é enorme, desde poder alterar os resultados de uma eleição, afetar a reputação de qualquer pessoa, fechar empresas… mas, se por um lado é impossível bloquear um whatsapp que, apesar de simples, tem um poder imenso, por outro lado, nas redes sociais é possível, sim, realizar ações para reduzir sua disseminação.

Com esse objetivo, Twitter adquiriu a Fabula AI, uma startup sediada em Londres que usa aprendizado de máquina para ajudar a detectar a disseminação de fake news online.

Leia também: TWITTER JÁ PERMITE ADICIONAR GIFS, IMAGENS E VÍDEOS AOS RETWEETS

Embora não se tenha divulgado ainda o valor, essa aquisição pretende ajudar o grupo de pesquisa do Twitter que trabalhará para encontrar novas formas de aproveitar a aprendizagem automática através do processamento de linguagem natural, sistemas de recomendações e outros conceitos relacionados com a Inteligência Artificial.

Fundada em 2018, há apenas um ano, Fabula desenvolveu um sistema de IA patenteado que chama de “aprendizado geométrico profundo”: algoritmos que aprendem com dados extraídos de redes sociais. A Fabula IA pode ajudar a identificar a autenticidade de qualquer informação que circula nas redes sociais, pois utiliza diferentes variáveis. Já é sabido que notícias falsas são divulgadas mais rapidamente do que notícias reais, e esse padrão pode ser usado para ajudar a detectar informações erradas.

Com essa tecnologia, uma pontuação é colocada em cada conteúdo, independente do idioma e do ambiente local, com base, principalmente, em sua velocidade de propagação.

Leia também: TWITTER LANÇARÁ FUNÇÃO DE OCULTAR RESPOSTAS ENTRE OUTRAS MELHORIAS EM SEGURANÇA

O co-fundador e cientista-chefe da Fabula, Michael Bronstein, agora conduzirá o sistema de aprendizado profundo de gráficos no Twitter.

Alguns meses atrás, o Facebook já fez algo semelhante ao comprar Bloomsbury IA, uma empresa emergente que também pode ajudar nesse assunto. Agora é aguardar para ver se, realmente, ajudarão a combater as fake news.