Metade das pesquisas do google não geram visitas a nenhum site


Quando pesquisamos no Google, é porque queremos encontrar informações em um site especializado no assunto.

Há tempos essas buscas geram tráfego para milhões de blogs e portais de informação em geral, isso até que os fragmentos em destaque, as letras das músicas, informações meteorológicas, reservas de hotéis e vôos e outros começaram a aparecer no próprio Google.

Leia também:GOOGLE LEVA PESQUISAS DE PODCAST DIRETAMENTE AO SEU MECANISMO DE BUSCA

Assim, o que era um mecanismo de busca foi transformado em um portal de informações que, além de links para outros sites, oferece muitos dados integrados para que não seja preciso sair do Google, e agora chegamos ao limite de 50%: a metade das buscas já encontra o que queria, sem clicar em nenhum outro site além do Google.

Isso foi relatado em microservevos, onde reportam o gráfico sparktoro acima com a porcentagem mencionada (no link sparktoro há muitos outros gráficos relacionados).

Usando dados do Jumpshot, uma fonte de informações sobre o que acontece nos navegadores da Web, é possível ver como o Google foi usado nos últimos meses. Em junho, foi quando as pesquisas com zero clique (nenhum site foi acessado fora do Google) excederam 50%, mas o gráfico de pizza mostra que, mesmo antes disso, o Google estava enviando uma grande parte dos cliques de pesquisa para suas propriedades, como YouTube, Maps, Android, o blog do Google, subdomínios do Google.com e outros.

Este último ponto é o que está sendo investigado, já que se suspeita de um monopólio, onde o Google oferece seus próprios sites como os mais relevantes quando alguém pesquisa dados em seus mecanismos de busca. É verdade que, se alguém pesquisar informações do mapa, o mais relevante é o Google Maps ou, se alguém pesquisar uma música, é melhor ir ao YouTube, mas as suspeitas ainda existem, e é por isso que as investigações não serão interrompidas.

Essa tendência de clique zero aumenta especialmente em dispositivos móveis, onde mais da metade de todas as pesquisas são realizadas. O orgânico diminuiu em quase 20%, enquanto o pago quase triplicou e as pesquisas com clique zero aumentaram significativamente. Mesmo em janeiro de 2016, mais da metade das pesquisas para dispositivos móveis terminaram sem um clique. Hoje é quase 70%.

Leia também:PARA ENVIAR DATOS DE FORMA AUTOMÁTICA A GOOGLE SHEETS

Parece que a solução para os criadores da Web é clara: otimize o conteúdo nas próprias propriedades do Google (YouTube, Mapas, Imagens, AMP, painéis de conhecimento, etc.).