Google Earth agora permite criar e compartilhar histórias sobre diferentes lugares do mundo


Você tem algo a mostrar ou dizer sobre diferentes lugares do mundo? A partir de agora, Google Earth oferece as ferramentas necessárias para que você possa criar mapas ou escrever histórias sobre os lugares no mundo que escolher, mesmo de forma colaborativa, podendo compartilhar os resultados de seu trabalho com quem desejar.

Este lançamento é basicamente uma expansão do programa Voyager, lançado em 2017, que permitiu que cientistas, escritores e até entidades sem fins lucrativos criassem suas próprias visitas guiadas.

Agora, essas possibilidades estão nas mãos de quem quiser. Só é preciso usar as ferramentas que o Google Earth acabou de disponibilizar em sua versão web, na opção Projetos, disponível na barra lateral.

Depois de entrar, é só iniciar um novo projeto e começar a adicionar marcadores, linhas e formas em diferentes lugares do mundo sobre o qual você deseja comentar. Então, através desses elementos, pode desenvolver as histórias correspondentes.

Para fazer isso, Google Earth permitirá que adicione textos avançados, além de imagens e vídeos que podem estar disponíveis em diferentes fontes, incluindo a sua. Se os usuários desejarem, graças à integração com o Google Drive, podem contar com a colaboração de todos os contatos que desejam para desenvolver as histórias.

Imagine o desenvolvimento de um projeto para uma viagem em que cada colaborador tenha uma experiência para comentar sobre o local que visitou e queira criar uma visita guiada por todas essas experiências.

As novas ferramentas também servirão no campo educacional, permitindo que os professores criem suas próprias visitas guiadas para mostrar aos alunos. De qualquer forma, uma vez concluído o projeto, pode ser visto como uma apresentação de slides e compartilhado com quem desejar, e pode ser acessado ​​a partir de qualquer dispositivo.

Para ajudar a entender as novas ferramentas, Google Earth oferece um tutorial. O mais interessante é que as novas ferramentas estão disponíveis nos idiomas usuais, portanto o idioma não será uma barreira de entrada para começar a desenvolver histórias sobre lugares.