Microsoft levará seu antivírus para plataformas móveis Android e iOS até o final do ano


Sem dúvida, os telefones celulares inteligentes se tornaram essenciais em nossas vidas, oferecendo-nos uma ampla gama de possibilidades que, pelo jeito, ainda vão continuar a crescer ao longo do tempo. O lado negativo é que os usuários continuam expostos a constantes ameaças de todos os tipos disponíveis online, que estão cada vez mais sofisticadas, por isso, é sempre bom ter alguma proteção adicional para ter maior segurança.

Nesse sentido, a Microsoft quer agora levar sua tecnologia antivírus para plataformas móveis, aproveitando toda sua eficiência graças à Inteligência Artificial e às tecnologias de aprendizado de máquina, que agora estão 50% mais rápidas na hora de identificar e responder as ameaças.

Portanto, até o final deste ano, a Microsoft planeja lançar uma versão do Microsoft Defender ATP para plataformas Android e iOS. Mas primeiro, durante a próxima semana, será lançada uma prévia na RSA Conference.

As versões móveis do Microsoft Defender terão que funcionar de forma diferente dos computadores desktop. Porém, Nesse é precisamente na plataforma iOS que terá que enfrentar os maiores desafios, e isso devido à algumas limitações do sistema operacional, impedindo que os aplicativos varrem o malware existentes nele.

Vale lembrar que Microsoft Defender ATP era originalmente o Windows Defender, mas a Microsoft mudou sua visão para possibilitar levar sua tecnologia de segurança a qualquer plataforma possível, por isso, acabou mudando o nome do Windows Defender para Microsoft Defender ATP (Advanced Threat Protection), lançando uma prévia pública no ano passado para a plataforma macOS e agora, lançando uma prévia pública de sua solução de segurança para a plataforma Linux.

Obviamente, como essas versões fazem parte da plataforma de segurança comercial da empresa, ainda não se sabe se as versões móveis do Microsoft Defender ATP para Android e iOS podem ser usadas pelos usuários finais ou simplesmente serão deixadas nas mãos apenas de clientes empresariais.