Microsoft Edge adiciona função de proteção contra aplicativos potencialmente indesejados


Se usa computadores há algum tempo, já deve ter baixado algum software de um site desconhecido e, ao instalá-lo no seu computador, ganhou junto outros aplicativos que não desejava instalar, afetando seu desempenho, com a aparência de anúncios, mineração de criptomoedas e outras atividades que consomem recursos de seu computador.

Então, o fato é que Microsoft Edge, baseado no Chromium, acaba de implementar um mecanismo que impede a execução de aplicativos baixados que podem conter aplicativos potencialmente indesejados (PUA). Está disponível desde a versão 80.0.338.0 mas, por padrão, está desativado.

Para ativá-lo, é preciso ir até Configurações / Privacidade e serviços e, em serviços, ativar a opção Bloquear aplicativos potencialmente indesejados. A partir de então, Microsoft Edge bloqueará a execução de todos os aplicativos suscetíveis a outros aplicativos indesejados.

No entanto, esse mecanismo também permite exceções aos downloads que podem ser potencialmente maliciosos, mas nos quais os usuários têm certeza de que o que eles baixaram é realmente o que eles querem, ou porque confiam na Web em que o baixaram, entre outros motivos possíveis.

Para fazer isso, em vez de excluir, é só escolher a opção Manter/manter de qualquer maneira através das caixas de diálogo sucessivas. Além disso, também é possível informar à Microsoft que o aplicativo marcado incorretamente como PUA é realmente um aplicativo respeitável.

E não apenas os usuários, também os proprietários de sites ou aplicativos podem entrar em contato com a empresa para que uma equipe analise as solicitações feitas e, se necessário, elimine a possível marcação PUA que determinou a nova função.

Por outro lado, os administradores de redes de computadores das empresas também têm a possibilidade de ativar essa função em todos os equipamentos com Microsoft Edge que considerem adequados. Para eles, possuem uma documentação comercial que pode ser consultada.

Crédito de imagem: Microsoft