As novas regras para extensões do Chrome em 2021


Ano novo, vida nova e navegação mais segura no Google Chrome. O Google acaba de mostrar o que pretende fazer para melhorar alguns aspectos de segurança em seu navegador Chrome ao longo de 2021.

Trata-se da continuidade dos esforços que vem desenvolvendo há anos para oferecer aos usuários uma navegação mais privada e segura ao longo de suas sessões pela web.

A empresa publicou quais serão as novas regras para extensões ao longo do próximo ano.

Em primeiro lugar, serão os usuários, e não as extensões, que decidirão quais sites podem acessar.

Depois, serão as extensões que decidirão quais sites acessar, embora os usuários possam permitir que decidam as extensões novamente, embora essa possibilidade não esteja mais ativa por padrão.

Além disso, o Google exigirá que as extensões sejam mais transparentes sobre a coleta e o uso de dados.

Nesse sentido, a partir do dia 18 de janeiro as extensões deverão mostrar publicamente sua “prática de privacidade” de forma clara e amigável, e também surgirão novas limitações quanto ao uso dos dados coletados.

As práticas de privacidade de cada extensão estarão disponíveis na página da lista de extensões.

Para reduzir ainda mais a possível presença de extensões prejudiciais, o Google atualizará a função de verificação de segurança do Chrome , em sua seção de configuração, para que os usuários detectem a presença de extensões prejudiciais instaladas e, se for o caso, de que forma podem removê-las.

E como é tradição, a função de navegação segura será aprimorada com a chegada de novas proteções de segurança, que também veremos ao longo do próximo ano.

Sabemos muito bem que as extensões, como o próprio nome indica, adicionam novas funções ao Chrome de acordo com as necessidades de cada usuário, embora o tempo tenha mostrado que nem todas as extensões respeitam os usuários.

Com mais de 250 mil extensões e temas na Chrome Web Store, segundo a empresa, as possibilidades de personalização podem ser infinitas, embora o denominador comum seja que todas essas possibilidades sejam, de fato, seguras para os usuários.