Facebook planeja reduzir o conteúdo político no feed de notícias


Em uma longa postagem, Mark Zuckerberg compartilhou alguns dos objetivos em que vem trabalhando na plataforma.

Uma das preocupações citadas diz respeito às comunidades e a importância de oferecer um espaço para os usuários se conectarem a partir de seus interesses. Para potencializar essa dinâmica, Zuckerberg listou uma série de medidas que pudemos observar durante o ano.

Além de seu objetivo de eliminar os grupos que promovem o discurso de ódio ou violam as políticas da plataforma, quer levar uma das medidas que foram aplicadas antes das eleições nos Estados Unidos em nível global para deixar de recomendar grupos cívicos e políticos.

Embora esses tipos de grupos permaneçam na plataforma, se não violarem nenhuma política do Facebook, não terão visibilidade por meio do algoritmo de recomendação. Sendo considerada esta mudança permanente e a nível internacional.

E para promover esse objetivo, buscarão outras formas de reduzir o conteúdo político no Feed de notícias, embora não tenham mencionado uma estratégia específica. Antecipando a polêmica que essa mudança vai gerar, Zuckerberg destacou que o objetivo não é impedir a opinião política sobre a plataforma:

E claro, ainda permitiremos que as pessoas participem de grupos e debates políticos, se quiserem. Muitas vezes, isso pode ser importante e útil. […] É por isso que queremos que essas discussões continuem acontecendo. Mas um dos principais comentários que ouvimos de nossa comunidade agora é que as pessoas não querem que a política e a luta se apropriem de sua experiência em nossos serviços.

Outros objetivos que Mark Zuckerberg mencionou têm a ver com as mensagens, embora tenha sido uma oportunidade para mencionar a questão da privacidade e segurança, e como ele considera o WhatsApp e o Messenger “os melhores aplicativos sociais privados disponíveis”.

Visando diretamente a Apple, ele mencionou que outras propostas de seus concorrentes costumam transmitir uma mensagem de privacidade enganosa. E, claro, ele voltou a enfatizar a mudança nas políticas do WhatsApp e o desconforto que isso causava aos usuários.

Por último, voltou sua atenção para o desenvolvimento de novas ferramentas para pequenas empresas e seus objetivos de levar a tecnologia um passo adiante com uma plataforma imersiva.