Facebook proíbe conteúdo favorável ao Talibã


Muitos meios de comunicação estão focados na situação no Afeganistão, onde o Talibã ocupou praticamente todo o país.

Pouco pode ser feito sem uma nova intervenção militar, mas o canal de distribuição de mensagens odiosas vinculado ao Talibã pode ser fechado.

É o que pensa o Facebook, rede que confirmou a proibição de publicação de conteúdo pró Talibã, por considerar o grupo uma organização terrorista. No Facebook, indicam que têm uma equipe dedicada, de especialistas afegãos, para monitorar e eliminar o conteúdo vinculado ao grupo.

A mídia social é fundamental para o Talibã divulgar suas mensagens e, de acordo com a lei dos EUA, foram sancionados como organização terrorista. Seguindo as instruções, o Facebook removerá as contas mantidas por ou em nome do Talibã e proibirá elogios, endosso e representação do grupo.

Os especialistas que se dedicam ao assunto são falantes nativos de Dari e Pashto, e têm conhecimento do contexto local, essencial para identificar e alertar para problemas emergentes na plataforma.

Esta política se aplica a todas as suas redes sociais, incluindo Instagram e WhatsApp, sendo este último uma plataforma amplamente utilizada pelo Talibã para se comunicar.

Fora do Facebook, o Twitter é amplamente usado para atualizar os seguidores da organização. O Twitter comentou que já tem uma política contra organizações violentas e comportamento odioso, e vai aplicá-la quando necessário. O Twitter não permite grupos que promovam terrorismo ou violência contra civis.