O futuro das galerias de arte: detectar falsificações com IA


Imagine um museu gastando milhões em uma obra de um pintor famoso, e anos depois uma Inteligência Artificial informar que a pintura é falsa com 90% de probabilidade.

Foi o que aconteceu com a National Gallery de Londres com o quadro Samson and Delilah, de Rubens, quadro comprado em 1980 por um valor que alcançou o top 3 do que nunca foi pago em um leilão de arte (2,5 milhões de libras esterlinas na data, equivalente a 6,6 milhões de libras hoje, mais de 7,5 milhões de euros).

Dra. Carina Popovici foi a cientista que realizou o estudo. Contou como conseguiram formar uma Inteligência Artificial com 148 pinturas do artista, para conhecer todos os detalhes de como Rubens pintava no século XVII. Depois de treinada, a colocaram na frente de Sansão e ela revelou o resultado: “praticamente certo de que é falsa”.

Cada retalho, cada quadrado, revelou-se falso, com mais de 90% de probabilidade.

A empresa especializada no assunto é a Art Recognition, empresa suíça da qual Popovici é cofundador. Ele analisou 400 trabalhos com esta tecnologia e tem uma colaboração permanente com a Universidade de Tilburg na Holanda.

Para muitos críticos não foi surpresa, pois vários pensaram que se tratava de uma cópia de um original de Rubens que se sabe ter sido pintado entre 1608 e 1609. A pintura do museu só apareceu em 1929, a pintura original estava perdida mais de 300 anos atrás.

Muitos dizem ser falso porque as cores não são características da paleta de Rubens, que os dedos do pé direito são cortados e outros pequenos detalhes. A Inteligência Artificial analisou peça por peça para chegar à mesma conclusão.

A tecnologia IA, “rede neural convolucional”, analisa diferentes características do trabalho de um artista, incluindo padrões de pinceladas, para que essa tecnologia possa produzir resultados precisos mesmo para artistas que mudaram significativamente seu estilo ao longo de suas carreiras. E cada artista tem uma pincelada única.

Sem dúvida, a partir de agora haverá uma Inteligência Artificial colocando selos de autenticidade em leilões milionários.