Um exame de sangue que detecta Alzheimer com 93% de precisão


Enquanto grande parte dos profissionais do mundo da medicina continua buscando uma solução para prevenir tantos casos de Alzheimer no planeta, muitos outros se encarregam de encontrar formas de identificar a doença o mais rápido possível.

E assim, agora foi lançado um novo exame de sangue que pode identificar pessoas em risco de desenvolver a doença precocemente, ajudando-as a buscar a ajuda necessária o mais rápido possível.

A descoberta foi feita pela Escola de Medicina da Universidade de Washington em St. Louis, uma análise que detecta placas amilóides associadas à doença de Alzheimer, mesmo entre pacientes que ainda não apresentam declínio cognitivo.

Os autores do estudo são Randall J. Bateman, MD, Charles F. e Joanne Knight, que acreditam que o custo de identificação de pacientes para ensaios clínicos e desenvolvimento de novas opções de tratamento será agora bastante reduzido.

O estudo foi realizado em cerca de 500 pacientes dos Estados Unidos, Austrália e Suécia, e o resultado é 93% preciso.

As varreduras do cérebro PET são usadas atualmente para identificar a doença, custando cerca de US$ 5.000 e embora possa ser feita através de uma punção lombar, custando bem menos, essa opção é desagradável e muito dolorosa.

O novo exame de sangue custaria apenas US$ 500 e poderia ser concluído em menos de seis meses, independentemente do laboratório que o fizesse.

Sem dúvida, um grande avanço para acabar com o pesadelo de milhões de famílias em todo o mundo.