Microsoft quer criar uma loja de jogos para celular


A Microsoft está pensando em um novo projeto para competir com a Google Play Store e a App Store: uma loja de jogos para celular. Um projeto que seria lançado sob a marca Xbox.

Uma iniciativa que está condicionada pela fusão da Activision Blizzard, uma vez que seria apoiada pelo seu conteúdo e pelas comunidades de jogadores.

A Microsoft tem planos concretos para desenvolver uma loja Xbox para jogos móveis. Isso foi divulgado na resposta que deu à CMA (United Kingdom Competition and Markets Authority) sobre a compra da Activision Blizzard.

Conforme mencionado em The Verge, a Microsoft deixou claro que a compra da Activision Blizzard é fundamental para a realização de seu novo projeto:

A transação aumentará a capacidade da Microsoft de criar uma loja de jogos de última geração que opera em uma variedade de dispositivos, incluindo dispositivos móveis, como resultado da adição do conteúdo da Activision Blizzard.

Portanto, a Microsoft quer levar os jogos além dos PCs e consoles e atingir o público que prefere dispositivos móveis para jogos. E ter todos os recursos que a Activision Blizzard pode oferecer é essencial para que essa estratégia seja bem-sucedida:

Com base nas comunidades de jogadores existentes da Activision Blizzard, o Xbox procurará dimensionar a Xbox Store para dispositivos móveis, trazendo os jogadores para uma nova plataforma Xbox Mobile

.

Ao longo do documento apresentado à CMA, argumenta-se a oportunidade que esta aquisição significaria para a Microsoft ter uma “presença significativa em jogos para dispositivos móveis”. E para apoiar esse ponto eles colocam exemplos concretos, como Call of Duty: Mobile e o que ele representou na receita da Activision Blizzard, bem como no percentual de usuários ativos.

Por enquanto, essa proposta de uma loja de jogos para celular do Xbox faz parte do argumento da Microsoft para mostrar à CMA que a aquisição melhorará a concorrência na indústria de jogos. Portanto, ainda há um longo caminho a percorrer antes de vermos se essa nova estratégia da Microsoft, realmente, será implementada