Facebook remove 900 contas com fotos de perfil geradas por inteligência artificial


Sem dúvida, já tivemos grandes avanços no que diz respeito à inteligência artificial, na otimização das técnicas que governam essa tecnologia, aplicada em diferentes setores, tanto para melhorar as tarefas executadas por seres humanos como para proporcionam mais sofisticação às máquinas ou artefatos existentes no mercado.

Embora os benefícios obtidos com a inteligência artificial tenham sido amplos, também trouxe novas ameaças, as quais se refletiram, principalmente, na Internet, com o surgimento de métodos para gerar identidades falsas.

Nesse sentido, a rede social Facebook recentemente fechou cerca de 900 contas, grupos e páginas de sua plataforma, depois de descobrir que estas pertenciam a uma rede global por trás de Trump, com cerca de 55 milhões de usuários, utilizando práticas enganosas.

Uma das estratégias mais notáveis ​​que envolvem inteligência artificial foi a geração de rostos falsos para serem usados ​​como imagem de perfil, a fim de projetar credibilidade e poder espalhar mensagens de conteúdo político direitista.

Essa ação constitui um grande passo no desenvolvimento de métodos enquadrados no contexto das guerras da informação, pois é o primeiro ataque desse tipo que utiliza identidades falsas geradas pela inteligência artificial em uma rede social.

De acordo com declarações de pesquisadores pertencentes aos grupos de desinformação do DFRLab e Graphika publicados em um relatório, essas imagens estabelecem um precedente no uso da inteligência artificial para promover uma campanha fraudulenta de mídia social.

Com relação às contas, detectou-se que elas estavam vinculadas ao The BL, um portal de comunicação digital excluído pelo Facebook, que também estabeleceu uma conexão entre esta e a organização conservadora de mídia The Epoch Times, que já apresentava um histórico de extremo apoio a Donald Trump.