A indústria fonográfica quer reduzir o streaming gratuito de spotify

captura-8

Tanto rdio como spotify tem um modelo gratuito baseado em publicidade, o que pode gerar milhões se bem gerenciado. O problema é que essa forma de fazer negócios não é do gosto dos grandes da música, por isso, agora estão pressionando Spotify para que reduza seu modelo gratuito.

Segundo o Financial Times, a Universal Music Group, a maior Companhia discográfica dos EUA e subsidiária do grupo francês Vivendi, quem comprou a EMI em 2011, está negociando com Spotify para que sejam realizadas ações que transformem os usuários gratuitos em assinantes. Segundo eles mesmos comentam, “o modelo de anúncios não vai sustentar o negócio dos artistas nem o dos investidores”.

Sony Music e Warner Music também se mostraram relutantes a esse modelo, e apostam em limitar a quantidade de usuários que podem escutar música sem pagar. Eliminar anúncios, oferecer melhor qualidade de som, eliminar limites na versão móvel e ter uma rádio mais inteligente parece não ser suficiente para essas empresas, que seguem desejando exprimir ao máximo o negócio de streaming.

Comentam em The Verge que estas afirmações também se realizaram na revista Rolling Stones, por isso está claro que a pressão é suficientemente grande, podendo trazer consequências em muito pouco tempo entre os que usam Spotify de forma gratuita.