Linkedin lança sua nova função de pesquisa


LinkedIn, a rede social profissional e de negócios da Microsoft, também deseja facilitar a coleta de ideias e opiniões de outros usuários por diferentes canais. Por esse motivo, agora está lançando oficialmente a nova função de pesquisa, que os usuários podem criar em menos de 30 segundos e encaminhá-las para suas redes de contatos, grupos profissionais ou contatos específicos.

Durante o tempo em que as pesquisas estão disponíveis, levando em consideração que elas têm uma duração determinada, os criadores poderão ver sua evolução em tempo real, ou seja, os votos que recebem e as opções de onde chegam, obtendo também uma contagem total deles.

Essas informações estarão disponíveis apenas para os próprios criadores que, uma vez terminado o período de suas pesquisas, obterão a opção vencedora, as porcentagens de votos para cada opção e a contagem total.

De fato, como apontam no LinkedIn, os criadores das pesquisas verão quem votou e as opções nas quais votaram, podendo se comunicar diretamente com usuários específicos das pesquisas, uma vez concluídas, para saber o motivo pelo qual escolheram um opção em detrimento do resto. Vamos lá, os votos não são anônimos, até porque, nesse caso, predominam as relações de confiança para obter feedback da comunidade de contatos profissionais.

No mais, as pesquisas devem ser criadas a partir da opção de escrever publicações, escolhendo a função de criar pesquisas, então, se escreve a pergunta correspondente adicionando até quatro opções diferentes, podendo definir uma duração entre 24 horas e as duas semanas de duração das próprias pesquisas. Além disso, podem adicionar algum texto anexo, com hashtags incluídas, para incentivar a participação daqueles a quem são direcionadas.

Existem muitos casos em que as pesquisas podem ser usadas, desde perguntas sobre a ferramenta a ser investida até perguntas que um entrevistador pode pedir a um candidato para preencher uma vaga, entre outras possibilidades.

Curiosamente, LinkedIn removeu uma antiga função de pesquisa de grupo em 2014, e agora, anos depois, mudaram de ideia e a retomaram de uma maneira funcionalmente aprimorada.