Seguradoras se adaptam à falta de dinheiro de seus clientes e oferecem seguros acordes aos quilómetros percorridos

A pesar de que muitos não estão usando seu veículo com a mesma frequência que no começo do ano, os gastos que implica ter um veículo continuam sendo importantes, e agora até pesa no bolso, principalmente dos que tiveram sua renda reduzida. 

Neste cenário o tradicional serviço oferecido pelas grandes empresas de seguro, que garante uma proteção por um ano, com uma apólice parcelada em até 10 meses; parece obsoleto e para muitos se torna um gasto e não uma inversão para cuidar seu patrimônio.

Diante da atual situação, as novas seguradoras, que já ofereciam seguros em modalidades diferentes, aproveitaram para impulsionar seus produtos e desenvolver novas formas de assegurar os veículos trazendo um serviço de qualidade e sem complicar a vida do cliente porque se adapta melhor às suas necessidades. 

Quais são as novas soluções para assegurar um veículo?
motorista com mascara

Como se tivesse previsto isso que está acontecendo, em setembro do ano passado a Susep autorizou o oferecimento de serviços com vigência reduzida e período intermitente, com o objetivo de que os seguros se adaptem às reais necessidades dos consumidores. 

Nem todas as empresas de seguro chegaram a desenvolver e lançar serviços nestes segmentos, mas estão neste caminho. Algumas das que já oferecem seguros com vigência reduzida é a Thinkseg e a Youse que permitem fazer seguros por quilômetros percorridos. Nesta modalidade o cliente paga uma mensalidade e os quilómetros feitos durante o mês, o valor do quilômetro depende da análise de perfil feita e custa a partir de R$ 0,25.

Outra modalidade que também chegou é o Instant, da seguradora Argo, que permite contratar um seguro por hora: o cliente compra crédito de seguro, e quando precisar o ativa para usar no percurso que determinar. 

Mas… afinal de contas, qual é o seguro de carro que mais convém? Para escolher um seguro é recomendável fazer simulações e comparar o alcance das coberturas do seguro e o valor do serviço que cada seguradora oferece, a com isso analisar qual proposta se encaixa melhor no orçamento familiar. Isto porque cada família tem suas características e necessidades particulares, além disso as características do veículo e a zona de residência impactam diretamente no prêmio do seguro. 

Vejamos um exemplo para um Ford Ka: um seguro por quilômetro percorrido que tenha um custo básico de R$ 50 e o usuário percorra 300km à R$ 0,50 equivale a pagar em um ano 12 vezes de R$ 200. Mas um seguro tradicional para um Ford Ka custa em torno de R$ 1420, ou seja, 10 parcelas de R$ 142. Neste caso é mais conveniente o seguro tradicional, caso contrário o cliente pagará R$ 980 à mais. Por esse motivo, uma recomendação é que os usuários que percorrem mais de 300 km no mês optem pelas apólices tradicionais de 12 meses e não por um seguro Pay Per Use.

Mas a decisão final é sempre do cliente, que agora tem mais opções entre as quais comparar e escolher, neste sentido vale a pena se informar bem sobre as condições de cada serviço ou consultar com corretores especialista em seguros para veículos.