Baidu, o gigante chinês da tecnologia, começou sua incursão no Metaverso


Baidu, gigante da tecnologia da China, popularmente conhecido como o “Google” de seu país, começou a dar os primeiros passos em sua incursão no Metaverso.

Esse conceito de universo enquadrado em um contexto de realidade virtual já está sendo testado por meio de um app, como uma prévia de um complexo desenvolvimento que estaria totalmente concluído em mais seis anos, segundo estimativa da empresa.

O gigante tecnológico chinês revelou essa semana seus primeiros passos na recente indústria do Metaverso, com a apresentação de um aplicativo de realidade virtual, cujo propósito é a exploração do que atualmente muitos consideram como a etapa seguinte na evolução da internet.

De acordo com a agência AFP, a empresa realizou uma conferência dentro do mundo virtual de seu novo aplicativo XiRang, que se traduz do chinês como “Terra da Esperança”. Essa plataforma pode ser acessada por meio de um celular, computador ou óculos de realidade virtual. O evento de apresentação foi liderado pelo co-fundador e CEO da Baidu, Robin Li, acompanhado por uma audiência de avatares 3D.

Embora a plataforma ainda esteja engatinhando, na semana passada Ma Jie, vice-presidente do Baidu, disse a repórteres durante um evento anterior que seu lançamento completo pode levar até seis anos, de acordo com a CNBC .

Seguindo os cânones do Metaverso até então conhecidos, XiRang permite que seus usuários criem um personagem digital (avatar) e interajam com outros usuários presentes no mesmo mundo 3D, como uma cidade fictícia, por exemplo.

No momento, o aplicativo apresentado como um teste só pode ser usado na China. Nele, seus usuários podem participar de atividades como visitar exposições virtuais ou mergulhar em uma piscina digital. 

Segundo o Baidu, o metaverso que estão desenvolvendo permitirá, uma vez concluído o seu desenvolvimento, até 100.000 usuários participarem de um mesmo espaço digital. Por enquanto, durante sua fase de testes, poucos usuários podem se reunir simultaneamente, dadas algumas restrições técnicas impostas por seu sistema em nuvem.

Fora o que conhecemos com a Meta (ex-Facebook) e outras empresas ocidentais, o Metaverso também está na mira de várias empresas chinesas. Em conjunto com a Baidu, a ByteDance, empresa-mãe da TikTok, investiu recentemente em várias empresas do setor e a Tencent, utilizando a sua experiência com videogames, está também preparando a sua própria plataforma de metaverso.